Desde o seu nascimento como nação independente, Cabo Verde, está engajado na promoção do desenvolvimento humano e na realização dos direitos humanos. No referente a defesa dos direitos das mulheres e a promoção da igualdade de género, desde 1994 procedeu a institucionalização deste propósito, mediante a criação do mecanismo nacional que coordena as ações nessa área. A nível internacional o engajamento do Estado Cabo-verdiano se tem materializado na adesão dos principais instrumentos para a erradicação de todas as formas de discriminação da mulher, assim como na adoção da Plataforma de Ação de Pequim e dos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio, instrumentos que tem sido cruciais na construção do quadro de referência que tem alimentado os processos de planificação e de desenvolvimento em Cabo Verde.

A Declaração de Pequim emanada da IV Conferência das Nações Unidas sobre a Mulher, realizada em Pequim (1995), é um das mais importantes referências, entre outros elementos pelas contribuições teórico conceituais consolidadas e condensadas na mesma, e pelo chamado á ação na promoção da igualdade de género, a qual constitui uma guia que tem  orientado os governos e a sociedade no aperfeiçoamento do marco legal, na formulação de políticas e na implementação de programas para promover a igualdade e para evitar a discriminação. 

Subjacente a estas considerações está a importância da leitura, análise e divulgação de dados, que permitam ter um olhar aprofundado sobre a realidade Cabo-verdiana. Em 2010 já se manifestava uma necessidade de criar um sistema que permitisse ler e analisar sistematicamente os dados, e que para dar resposta a esta necessidade foi criado o Observatório de Género em 2012.

 

Na atualidade a produção, análise e leitura de dados com uma abordagem de género reveste-se de particular importância devido a assunção dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis (ODS), os quais caracterizam-se por ter metas bem definidas, que tem que ser suportadas por um quadro amplo de indicadores que permitam a monitorização constante dos esforços pela sua concretização. Estes objetivos darão uma contribuição importante na construção dos quadros de referência nacionais que respondam aos desafios existentes num mundo pós ODM e pós 2015.